Durante algumas noites, os guardas do castelo recebem a visita de uma aparição que em muito se assemelha ao antigo rei e decidem chamar Hamlet, para determinar o que aquela aparição representa. O fantasma acaba por contar a Hamlet que foi assassinado pelo irmão. Hamlet fica chocado, embora sempre tivesse desconfiado do mau caráter do tio. O famoso solilóquio, ?Ser ou não ser? dá-se no início da peça, Hamlet pensa em tirar a sua própria vida, de tanta tristeza que sente, mas decide não fazê-lo por ser um ato condenado por deus. O resto da peça trata da “inação” de Hamlet, se deve ou não vingar o pai e como fazê-lo. Há sempre uma grande indecisão. Shakespeare habilmente constrói uma atmosfera em que tudo parece ser uma coisa mas é outra, amigos passam a inimigos com uma facilidade desconcertante. Talvez a cena mais famosa da peça seja a imagem de Hamlet com uma caveira na mão, que foi inúmeras vezes reproduzida.

No personagem mais famoso de Shakespeare, a reflexão se sobrepõe à ação e a paralisa, algo impensável na literatura até então. Shakespeare nos coloca diante das reflexões do herói. Assim Hamlet é considerado o drama da consciência. Vingar ou não o pai é o dilema do príncipe. Mas Shakespeare faz dele o dilema do homem e da cultura diante de um mundo em transição, transformado pelo Renascimento, pela descoberta da América, pelo heliocentrismo de Copérnico. A dualidade é uma das chaves para ler a peça, e está presente em toda sua construção: ação e palavra, pai e filho, a loucura simulada e a loucura verdadeira, o assassinato e sua encenação, a própria peça dentro da peça. É uma das obras mais analisadas e interpretadas de toda a história da literatura mundial.

A famosa frase "Ser ou não ser, eis a questão" (no original em inglês: To be or not to be, that's the question), encontra-se no Ato III, Cena I e é frequentemente usada como um fundo filosófico profundo. Sem dúvida alguma, é uma das mais famosas frases da literatura mundial. O verso, citado pelo personagem principal Hamlet, é o seguinte:

HAMLET - "Ser ou não ser, eis a questão.

Será mais nobre sofrer na alma

Pedradas e flechadas do destino feroz

Ou pegar em armas contra o mar de angústias

E, combatendo-o, dar-lhe fim?

Morrer; dormir;

Só isso. E com o sono - dizem - extinguir

Dores do coração e as mil mazelas naturais

A que a carne é sujeita; eis uma consumação

Ardentemente desejável. Morrer, dormir...

Dormir! Talvez sonhar. Aí está o obstáculo!

Os sonhos que hão de vir no sono da morte

Quando tivermos escapado ao tumulto vital

Nos obrigam a hesitar: e é essa reflexão

Que dá à desventura uma vida tão longa.

Pois quem suportaria o açoite

e os insultos do mundo,

A afronta do opressor, o desdém do orgulhoso,

As pontadas do amor humilhado,

as delongas da lei,

A prepotência do mando, e o achincalhe

Que o mérito paciente recebe dos inúteis,

Podendo, ele próprio, encontrar seu repouso

Com um simples punhal?

Quem agüentaria fardos,

Gemendo e suando numa vida servil,

Senão, porque o terror de alguma

coisa após a morte -

O país não descoberto, de cujos confins

Jamais voltou nenhum viajante

nos confunde a vontade,

Nos faz preferir e suportar males que já temos,

A fugirmos para outros que desconhecemos?

E assim a reflexão faz todos nós covardes.

E assim o matiz natural da decisão

Se transforma no doentio pálido do pensamento.

E empreitadas de vigor e coragem,

Refletidas demais, saem de seu caminho,

Perdem o nome de ação."

(Tradução de Millôr Fernandes)

 


Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Quem está Online

Temos 70 visitantes e Nenhum membro online

Palavras-chave

Buscar