CARR, Nicolas G. Does IT Matter? Information Technology and the Corrosion of Competitive Advantage. Harvard Business School Press, Boston, Massachusetts. 2004.

CARR, Nicholas G. Será qu TI é tudo? Repensando o papel da tecnologia da inoformação. Gente Editora. São Paulo. 2009.

Tradução Henrique Amat Rêgo Monteiro; revisão técnica Renato Fonseca de Andrade.

Prefácio de Laércio Cosentino, CEO da TOTVS.

MEDEIROS NETO, Benedito (2012) comenta:

As TIC, ou apenas TI, surgiram nos meios acadêmicos e militares, continuaram o seu desenvolvimento na indústria e no mundo dos negócios, depois nas organizações e Governo, chegando, somente agora, mais fortemente, à casa do cidadão. Carr (2004, p. 149), da Harvard Business Review, faz uma análise pessimista quanto à capacidade das TIC de se constituírem em um fator competitivo nos negócios, a partir de agora, como é ainda desejado e inflado pelos provedores ou fornecedores de TI. O autor não nega, evidentemente, a importância do uso da TI em ambiente residencial ou sua incorporação nos produtos eletrônicos de entretenimento, que a cada dia nos oferecem novas áreas em fase de iminente maturação, `medida que o computador, a mídia e os eletrônicos domésticos convergem. Este é entendimento do autor de “Does IT Matter?” quanto aos seus impactos na possível sociedade da informação ou de serviços, o seu entendimento é outro:

Na verdade, o centro de inovações do setor de TI parece estar mudando das empresas para o mercado de consumo. Com os PCs domésticos sendo cada vez mais usados na edição de vídeo, áudio e processamento de imagens, além de jogos muito ilustrados, o usuário médio do computador doméstico atualmente tem uma necessidade maior de potência adicional de processamento e de programas mais inovadores do que os usuários médios das empresas .(CARR, 2004, p. 149) [1] . Tradução de Henrique Amat Rêgo Monteiro, Gente Editora, 2009.

             Junto com o aumento dos meios e canais de telecomunicações para atender às demandas do mercado, observou-se o crescimento dos repositórios para armazenamento, tratamento e recuperação da informação, sejam conteúdos de imagem, voz ou texto. A formação das grandes bases de dados com informações dos usuários é algo bem recente, antes parte das informações pessoais em poder de algumas organizações, que agora se concentram nas mãos de poucas organizações ou empresas “de busca de informação” ou promotores de redes técnico-sociais, e assim, nos aproximamos rapidamente do que denomina-se “computação em nuvem”. A questão do armazenamento da informação pessoal em repositório vem crescendo, e isto traz grandes impactos nos modelos de negócios do setor da produção, e na distribuição da informação e do conhecimento, como por exemplo, nos segmentos: músicas, livros e filmes, e mesmo na gestão pública. A recuperação da informação abundante, em formato digital, sejam dados, voz ou imagem ocupa os cientistas da informação e os tecnólogos (LEVY, 2001; BARRETO, 2007; MIRANDA; SIMEÃO; MUELLER, 2007).

 



[1] In fact, the center of innovation for the IT industry appears to be shfting from the business to the consumer market. With home PCs incresingly being used for videio editing, áudio and image processing, and graphics-intensive gaming, the average home computer user today hás a greater need for addtional processing Power and innovative new software the average bussiness user.







Ana Valéria M. Informação e Comunicação para Inclusão Digital: análise do Programa GESAC - Governo Eletrônico Serviço de Atendimento ao Cidadão. Brasília: Ed. Dep. de Ciência da Informação e Documentação da Universidade de Brasília, 2008.

Quem está Online

Temos 40 visitantes e Nenhum membro online

Palavras-chave

Buscar