photo 2Capítulo 6

ANÁLISIS Y EVALUACIÓN DE LAS ACCIONES DE INCLUSIÓN DIGITAL  E INFORMACIONAL A TRAVÉS DE CUESTIONARIOS WEB: LA EXPERIENCIA DEL PROGRAMA GESAC (BRASIL)

Benedito Medeiros Neto - Universidade de Brasília

M. Antonia Gracia Moreno - U. Complutense de Madrid

"Para llevar a cabo una evaluación de su actuación con los miles de brasileños que han participado en las iniciativa desarroladas desde el ano 2004, el Programa GESAC promovió una investigación nacional cuantitativa y cualitativa, durante el periodo 2008/2009, con un objetivo general: la identificación y evaluación de los cambios y transformaciones que se produjeron entre los ciudadanos que acudieron a los 3.570 Puntos GESAC, telecentros y laboratorios de informática de las escuelas públicas, para participar en un proceso de apropiación social de las tecnologias y para su transfomacion en alumnos incluidos digitalmente."

Link:http://eprints.ucm.es/25190/1/portada_Investigaci%C3%B3n%20en%20informacion%20documentacion%20y%20sociedad1.pdf


Livro da Maria Lucia Becker, INCLUSÃO DIGITAL E CIDADANIA - As possibilidade e as ilusões das "soluções" tecnológicas.

Veja o PRÓLOGO:  TECNOLOGIAS DA CIDADANIA ?

Do Editor: A relação entre internet e exercício da cidadania é apresentada neste livro com base numa pesquisa realizada em postos de acesso público e gratuito das cidades de Curitiba e São Paulo. Para a avaliação das possibilidades e do alcance desta relação, foram buscados elementos que oferecessem respostas à questão - como o potencial (ou promessa) das novas tecnologias de informação e comunicação é apreendido e realizado no cotidiano dos cidadãos?

Parte do Livro no endereço abaixo:
http://books.google.com.br/books?id=aK3g5_u3r1AC&;printsec=frontcover&hl=pt-BR#v=onepage&q&f=false

Tradução de Carlos Irineu da Costa. editora 34. 2a. Edição-2009 (1o. Reimpressão-2011). RJ.

 "Mesmo o filosofo Bruno Latour (2009) [1]reafirma esta declaração, quando instiga a incapacidade dos modernos, e fala de uma revolução que éramos incapazes de fazermos, mas agora é presente na ciência, na técnica, em política ou filosofia. Esta referida sociedade denominada de modernidade líquida ou fluída, também denominada por outros autores de pós-moderna; hipermoderna; segunda ou última modernidade, e que pode ainda receber uma melhor denominação à medida que os modernos ou pós-modernos não param criar objetos híbridos e convergência dos meios é acelerada." (MEDEIROS NETO, Benedito. Literacia via dispositivos móveis (2014)).


[1]Segundo Bruno Latour (2008, p. 69), se existe algo que somos incapazes de fazer, podemos vê-lo agora, é uma revolução, quer seja na ciência, na técnica, em política ou filosofia. Mas ainda somos modernos quando interpretamos este fato como uma decepção, como se o arcaísmo houvesse invadido tudo, como se não existisse um depósito de lixo onde fosse possível empilhar o que foi recalcado.

"As relações de poder são avaliadas em um plano histórico a partir de autores que se dedicam a uma análise desta configuração engendrada pela informação e tecnologia. Dentre eles é citado Manuel Castells e Bruno Latour, com a tratativa das redes, já Howard Rheingold com Sherry Turkle, discutem o impacto da tecnologia no dia a dia da sociedade." Gerações interativas no B

rasil. Passarelli e Junqueira. Escola do Futuro/USP. 2013.

http://www.miriamgrossi.cfh.prof.ufsc.br/pdf/latour_jamais.pdf

 

Published on Feb 26, 2013

Professor Bruno Latour delivers the Gifford Lecture series entitled "Facing Gaia. A new enquiry into Natural Religion".

https://www.youtube.com/watch?v=MC3E6vdQEzk

PAULUS. São Paulo, 2013. Coleção Comunicação.

"COGNIÇÃO, CULTURA E EDUCAÇÃO

      A par de todas as implicações econômicas e políticas decorrentes das profundas capa com ubiqua v3
transformações culturais que aciona, a ecologia midiática hipermóvel e ubíqua afeta, sobretudo, a cognição humana. Ao afetara cognição, produz repercussões cruciais na educação. Novas maneira de processar a cultura estão intereiramente conectadas a novos hábitos mentais que, segundo o pragmatismo, deseguam em novos modos de agir. os desafíos apresentados por essas emergências deveriam colocar sistemas educacionais em estado de prontidão.

       Qual é o ciclo evolutivo em que se encontra a mente e a inteligência humanas? Em que ambientes semióticos e culturais esse ciclo está se desenvolvendo-se? Que consequências a crescente externalização da memória e, por que não dizer, externalização e expansào da mente humana trazem para aprendizagem e que necessidades inéditas apresentam para a educação? Esses s˜qo os grandes interesses enfrentados por estes livro.

     Mobilidade consta do título do livro Linguagens líquidas na era da mobilidade (Santaella, 2007), ubiquidade é o subtítulo do livro A ecologia pluralista da comunicação. Conectividade, mobilidade e ubiquidade (Santaella, 2010). Isso coloca o presente livro na continuidade dos anteriores. Em 2007, a explosão dos recursos móveis conduzi-me a reflexão sobre o âmago semiótico da questão: nas arquiteturas líquidas do ciberespaços, tornam-se necessariamente líquidas também as liguagens que leves e livres de quaisquer  obstáculos físicos, velozmente transitam por elas ..."

Quem está Online

Temos 202 visitantes e Nenhum membro online

Palavras-chave

Buscar