Enquanto outros teóricos do pós-modernismo assimilam a fragmentação da cultura e do sujeito contemporâneo, Bauman lida com a universalização do medo ou das perdas derivadas da troca de ordem pela liberdade.