?Como saber se o que eu escrevi é poesia?

Vamos falar sobre poesia. Pode-se definir um poema como um conjunto de palavras que expressam ideias ou emoções de forma vívida e imaginativa. Pode-se dizer que um poema deve seguir uma determinada métrica, ter determinado ritmo. Pode-se dizer que é uma técnica literária que se diferencia da prosa e da fala normal. (Fonte: Literary Devices)

https://bibliomundi.com/blog/como-saber-se-o-que-eu-escrevi-e-poesia/?utm_campaign=artigo_como_saber_se_o_que_eu_escrevi_e_poesia&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

 

 

O poeta, o artista e ser humano junto com seus amigos!

 

É hoje, pessoal, ás 17:00 teremos mais um grande momento de homenagens ao nosso querido prof. Miranda. Aguardamos  todos  para esse momento artitisco.

 

Link if Live 2 https://youtu.be/ehAYqG9LCJQ

 

 

 MIRANDA INFINITO

Roteiro da live ARTISTAS – ANTONIO MIRANDA

Homenagem ao professor e poeta Antonio Miranda

Dia 09.08.2020, às 17 horas

Moderadores: Zenilton Gayoso Salomão Sousa -Direção: Alzimar -Técnica: Natália (com auxílio do Benedito Medeiros Juliana Imítria)

 A entrada na sala da live obedecerá a ordem desta lista:

Convidados:

GRUPO 1

GILBERTO MENDONÇA TELES – poeta, nascido em Bela Vista de Goiás em 1931, ensaísta e professor Doutor Honoris Causa pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Gilberto é reconhecido tanto pela sua produção poética como pelos seus clássicos estudos sobre o modernismo e a vanguarda na poesia. 

ANTONIO CARLOS SECCHIN – poeta, nasceu no Rio de Janeiro, em 1952.  Doutor em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde é professor titular de Literatura Brasileira da Faculdade de Letras. Membro da Academia Brasileira de Letras.


Leia mais:MIRANDA 80 ANOS ANTONIO

LIVE: https://www.youtube.com/watch?v=hLgBCT7D4D4&pp=wgIECgIIAQ%3D%3D&feature=push-sd&attr_tag=r7ffJs8jPASMfAAp:6

Eu queria ser um bailarino
e pretendia ter um violino.

Menino pobre, ah, eu sonhava
que alguém, então, me amava.

E viajava pela livre imaginação
no meu avião de brinquedo

— e guardava, cioso, o segredo
deitado no colchão de palha:

não falha, não é?, a nossa intuição
e via o ballet Giselle na televisão.

Lia muito e soletrava o alfabeto
e imaginava compor um soneto.

Ganhar o mundo: ser um vagamundo.
(Cheguei até onde não devia ir.)

Brasília: 27 de janeiro de 2014